MENU

Entrevistas

ENTREVISTAS

O que é a IBFAN e quais os seus objectivos

IBFAN Portugal pertence a Mama Mater que é uma Organização Não Governamental. Somos, por isso, um membro oficial de a Rede Internacional Pró-alimentação Infantil (The International Baby Food Action Network), que conta com mais de 270 grupos espalhados por mais de 160 países em todo o mundo.

O IBFAN é constituído por grupos de interesse publico, em todo o mundo, que trabalham para reduzir as taxas de morbilidade neo-natal e infantil. Isto é feito através da proteção, promoção e apoio à amamentação e apoio das ótimas praticas de nutrição infantil. Trabalhamos de acordo com o Código Internacional de Marketing de Substitutos do Leite Materno da Organização Mundial de Saúde e as subsequentes resoluções da Assembleia Mundial de Saúde para um padrão mínimo nacional.

Em Portugal existem muitas violações do Código Internacional de Marketing?

Em Portugal não é difícil encontrar violações ao Código. Se um estabelecimento vende leite artificial (também chamado fórmula ou leite em pó), o mais provável é que esteja a violar o Código de alguma forma, sem que se dêem conta disso. É extremamente difícil encontrar um local de venda que não apresente uma violação; pessoalmente ainda não encontrei nenhum.

Basta um conhecimento básico do Código para ver o marketing dos alimento infantis com uma perspectiva completamente diferente. É muito “empoderador” podermos fazer um exame critico acerca da comida que damos ao nosso filho, depois de aceitarmos um facto básico: as empresas que fazem estes produtos têm uma grande concorrência e não são outras empresas iguais. A maior concorrência para as empresas que fabricam produtos dentro do âmbito do Código são as próprias mães. Porquê? Porque a mãe pode acalmar o seu bebé à mama (as chuchas são desnecessárias), pode alimentar o seu bebé à mama (os leites artificiais são desnecessários já que 98-99% das mães conseguem produzir leite) e as mães podem fazer comida para o seu bebe de forma rápida, eficiente e barata, sem precisar gastar dinheiro extra em comida pré-fabricada.

A espécie humana sobreviveu durante milhões de anos devido à amamentação; porque é que, de repente, os nossos corpos falham? Eles não falham, mas as mães são levadas a acreditar que não conseguem amamentar ou que vai consumir demasiado o seu tempo, vai ser doloroso ou complicado, entre outros mitos. Quem está a fomentar este debate unilateral? São as empresas que facturam milhares de milhões de euros por as mães não amamentarem. O marketing está à nossa volta, especialmente para os pais recentes. Eu sei, eu também fui vitima com o meu segundo filho.

Algumas mães não querem de facto amamentar, o que é aceitável; nós defendemos e trabalhamos para as proteger também, através de marketing justo e honesto. Ninguém gosta que lhes mintam, especialmente quando a saúde dos nossos filhos está envolvida.

Qual a sua opinião acerca do trabalho que o Centro Pré e Pós Parto tem vindo a desenvolver na promoção da amamentação e na oferta de apoio às mães que amamentam os seus bebés?

A forma como a amamentação e as práticas de alimentação infantil ideais são promovidas através do CPPP é exemplar e é muito agradável ver como os guias da OMS são seguidos. É um excelente exemplo do que deveria ser adoptado e copiado por todas as empresas que fornecem serviços desta natureza. Temos visto em primeira mão como estes assuntos são tratados pelo CPPP e dá-nos esperança que há mais pessoas que se interessam genuinamente acerca do impacto que a amamentação e as práticas alimentares ideais têm nas crianças, mães e sociedade em geral.

No Centro Pré e Pós Parto existe muito contacto com mães. Em que situações é que estas mães podem ser apoiadas pela IBFAN e como?

Para começar, temos um grupo de voluntárias, todas treinadas em aconselhamento em aleitamento materno a diversos níveis, disponíveis para ajudar de forma gratuita a ultrapassar qualquer obstáculo que surja na amamentação. Nem sempre é fácil, eu sei, já que também passei por isso da segunda vez e foi uma luta. Acreditamos que todas as mães têm o direito ao acesso a informação baseada em evidências científicas e que esta informação deve ser 100% isenta de pressão comercial. Trabalhamos e apoiamos práticas de alimentação infantil ideais, o que cobre também a alimentação artificial por parte das mães que escolhem não amamentar e que também têm o direito a informação isenta. Começamos há pouco tempo com este apoio e estamos a crescer lentamente, o que nos deixa muito felizes.

Também acreditamos em educar o público, as mães, os profissionais de saúde, entre outros, sobre as tácticas de marketing agressivas que são usadas pela indústria que ganha milhares de milhões com as mães que não amamentam, ou seja, as empresas de leites artificiais, de biberões e de chuchas. Por exemplo, alguns bebés alternam entre o biberão e a mama sem problema, mas na maioria dos casos isso não acontece, pelo que explicamos os riscos relacionados com a introdução de um biberão na alimentação do bebé e ensinamos alternativas. Explicamos as técnicas de marketing e lutamos para que elas sejam justas, responsáveis e baseadas em evidências, ao nível nacional e internacional, para que as mães e seus bebes sejam protegidos. Isto é aplicado às empresas de comida para bebés/formulas, de biberões e chuchas, para que não minem a amamentação.

Este é um assunto esquecido em Portugal e o resultado é que a taxa de amamentação não é das melhores. Lutamos por isto todos os dias, para proteger o direito das mães de escolher e ter acesso a apoio para qualquer que seja a forma que ela escolha de alimentar o seu bebé.

Se tivesse uma mensagem para as mães, qual seria?

Confie no seu corpo. Se um pediatra ou outro médico sugere suplemento e se isso não a deixa confortável, não tenha medo de pedir uma segunda opinião, ou uma terceira. Procure informação independente de fontes fidedignas e profissionais qualificados para que consiga tomar uma decisão informada acerca da forma de alimentar o seu bebé. Não receba essa informação de empresas ou de pessoas que possam beneficiar directa ou indirectamente com a compra de produtos ligados à alimentação infantil, principalmente marcas de formulas que beneficiam com o facto de você NÃO amamentar, embora digam que apoiam a amamentação.

Se estas empresas de facto apoiam a amamentação em exclusivo durante 6 meses como afirmam e como é recomendado pela OMS, então porque é que promovem e distribuem produtos para bebés a partir dos 4 meses?

Mesmo que uma mãe não consiga ou decida não amamentar, isto também se lhes aplica, já que merecem informação correcta independentemente de tudo. Esta decisão vai marcar a saúde dos nossos filhos para o resto da vida, pelo que deve ser tomada seriamente.

Como é que no Centro Pré e Pós Parto nos podemos envolver mais?

O trabalho e esforço que têm vindo a fazer para serem uma das primeiras organizações cumpridoras do Código é fenomenal. Não é fácil fazer uma aposta como esta, mas mostra como vocês estão dedicados a colocar a saúde dos bebés e das mães em primeiro lugar, independentemente de tudo. Muito poucas pessoas têm vontade de colocar a ética à frente do lucro, mas vale a pena a longo prazo. Estamos muito contentes por sermos testemunhas da transformação no CPPP, pelo que se as mães querem amamentar e querem ter o melhor apoio possível, sei onde as enviarei enquanto estiverem grávidas!

Portugal ainda tem um longo caminho pela frente neste assunto, mas este é um bom local para começar.

O que é o Feng Shui e para que serve?

FENG SHUI, Trata-se de uma sabedoria oriental chinesa com mais de quatro mil anos. Ao tempo, alguns mais eruditos, aperceberam-se que existiam espaços na Natureza onde as plantas cresciam melhor. Mais tarde aperceberam-se também de que haviam igualmente habitações que os faziam sentir melhor que outras e que as famílias que lá habitavam eram mais felizes e prósperas do que outras.
Este conhecimento foi-se desenvolvendo com o tempo, foi-se aperfeiçoando e apesar de ainda não existir bússola na altura, os resultados face a melhores ou piores orientações e disposições eram visíveis ao nível do corpo e da mente.
Surgiram então os mestres em Feng Shui que durante gerações transmitiram os seus conhecimentos para os aprendizes, que mais tarde se tornariam mestres e garantiam assim a continuidade desta corrente do pensamento. Numa sequência de estudo, dedicação, o conhecimento do Feng Shui chegou assim até aos dias de hoje.
O Feng Shui possibilita harmonizar, equilibrar e potenciar as energias das casas e dos espaços, ajudando os seus habitantes a atingir determinados objetivos como a prosperidade, a riqueza, a saúde, os relacionamentos, o reconhecimento social, os estudos, entre muitos outros, uma vez que a casa é o reflexo das pessoas que nela habitam.

Mas não serão essas recomendações demasiado gerais?

Muito pelo contrário. Em Feng Shui Clássico os estudos são elaborados para cada casa em particular, para as pessoas que nela habitam e seus objetivos e para um período de tempo, ainda que existam princípios base que devam ser assegurados. Para terem uma ideia ao nível a que se pode chegar, com a medição da bússola podemos ir a um detalhe tal como saber se uma pessoa tem facilidade em gerar filhos.

Então e em que medida é que o Feng Shui nos pode ajudar com os nossos bebés?

A Chegada de um bebé é um momento extremamente importante para uma família. Por isso há que preparar a sua chegada e possuir um quarto harmonioso para o bebé. Assim, podem-se escolher as cores, formas, desenhos e posições do berço e localização dos utensílios mais adequados de acordo com as características de cada bebé. Desta forma, o Feng Shui permite criar um ambiente confortável, seguro, calmo e divertido para o bebé, melhorar a qualidade do seu sono e otimizar o seu desenvolvimento.

O que é que as mamas vão encontrar no Workshop de Feng Shui promovido aqui no Centro?

Nesse workshop as mamãs vão aprender de uma forma prática e descontraída os conceitos base a assegurar num quarto de bebé numa primeira instancia para que os mesmos estejam de acordo com o Feng Shui e consequentemente garantindo o bem-estar e bom desenvolvimento do bebé.

Se tivesse uma mensagem para as mamãs, qual seria?

Que é muito importante que a nossa casa e principalmente o quarto dos nossos filhos tenha uma boa energia, e que esta flua para que a nossa vida seja repleta de acontecimentos felizes e eles tenham um desenvolvimento saudável. Fazendo das palavras de uma das mamãs que fez uma consulta as minhas – “considero que foi mesmo muito bom e positivo para todos cá em casa, ter tido esta oportunidade e que sem dúvida contribuiu para o bem estar geral, e felicidade da família.”

error: Os conteúdos deste site estão protegidos!